segunda-feira, 19 de março de 2012

Blush, gente morta, e outras coisas



Terça-feira. Acordei sem vontade de acordar, com preguiça existencial, sofrendo de saudade antecipada da minha cama, meu sossego, meu tédio querido. Pode parecer loucura, babaquice, falta de amor à vida, mas eu sou apaixonada pelo Tédio. Tédio é um cara gostoso que você curte devagarinho e só dá valor quando a Falta de Tempo te pega para fazer de trouxa.

Era terça-feira, e às terças de manhã tenho meu encontro semanal com a Desatadora de Nós. Levantei da cama direto para o vaso; a porcelana mal tinha esquentado com o calor do minha bunda dormida e eu já estava anotando no meu post it mental tudo que eu teria que fazer para aquela semana: releituras, flip charts, persiana, reembolso. Me troquei correndo e saí de casa sem maquiagem. Sou mulher, mas sou muito mais uma massa molenga e inerte de átomos, que troca o ar de dama da sociedade por cinco minutos de baba no travesseiro.

Às dez horas, depois de um dia de trabalho de gente grande, aula massante sobre sei-lá-o-que na faculdade, algumas risadas, o corpo doído de saudade da amada Cama, e da barriga dizendo que era melhor eu parar de maltratá-la, eu ainda estava pensando em artistas do renascimento e cavaletes ao atravessar a rua em frente ao campus. Eu estava tão afogada dentro da minha cabeça, do meu umbigo, da minha própria sujeira, que quase bati a cara naquela massa de gente tumultuando. E se não fosse o muro de curiosos, eu talvez tropeçasse no cara com a minha sapatilha amarelo-limão. O cara. O corpo.

O defunto. Um defunto em frente à faculdade, ao hipermercado, deitado no piche, na sujeira. A atração principal da noite, a lâmpada fraca do poste sendo o holofote. Com prazer apresentamos aos senhores o ilustríssimo Mister Presunto! Palmas para ele! E hoje ele vai apresentar o truque mais temido, mais desejado nas segundas de manhã, de maior mistério, o segredo jamais revelado... o incrível truque da Morte!

Eu, Maria, me juntei às Outras. Eu quis ver esse espetáculo de perto, quis tocar a mão do mágico, quis saber como era estar do outro lado. Do lado onde flipcharts não importam, artistas do renascimento são almas como as outras almas, e o tempo não existe. Não existe noite, segunda de manhã e prazos que eu tenho que cumprir, mesmo querendo dormir por dias a fio. Quis tanto saber como era viajar para esse lugar que milhas nenhuma podem me levar. Que navio não afunda, que avião não pousa.

Era terça-feira à noite e toda a minha vida de rotinas parecia tão babaca. Tão babaca a vida. Tão babaca essa gente que é a gente. Pensando em persianas, reembolsos, consultas médicas, cavaletes. Dispensando a vida assim tão fácil com coisas tão pequenininhas. Tão dispensáveis, enquanto tudo isso, todo esse mundo, é tão indispensável. Eu quis tanto deitar ao lado dele e olhar bem fundo naqueles olhos de morto e ver a minha própria vida morrendo todos os dias em meio a artistas de carne, ossos e defeitos, pedaços de madeira, preguiça e arroz e feijão bebidos. Ver a vida indo embora só para correr atrás dela e implorar de joelhos que fique, não me abandone, eu juro que vou trabalhar menos, me importar menos com dinheiro, eletrônicos e roupas da moda, vou dizer à minha mãe o quanto eu amo e ligar para minha melhor amiga só para pedir que ela passe uma semana inteira comigo, por favor, Vida, não vai embora!

Mas tinha gente demais na minha frente, uma fita amarela em volta do corpo que um dia foi pessoa, foi menino, criança, bebê e fez a mãe morrer de carinho, de amor, de dor por ver o filho ir embora. Eu deixei a vida ir embora. Virei às costas. Está tudo bem. Fui comer no fast food, refrigerante sem gelo, por favor.  A terça-feira acabou. E na quarta acordei pensando em que roupa usar, não posso esquecer a lente 50mm, o flash, ainda faltam duas releituras, Deus, o que eu faço? Só não esquece o blush, Camila. Só não esquece o blush.


3 comentários:

  1. Você é linda e perfeita. Não precisa pensar assim. O texto é ótimo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou começando a desconfiar do mundo dizendo que eu to bonita HAHA. Mas muito obrigada. Obrigada pelo elogio, por ler o texto, por gostar, por ser um traficante de coragem =)
      Boa semana pra você!

      Excluir
  2. Traficante de coragem, muito bom ^^

    ResponderExcluir