quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Vada a bordo, cazzo!

Vontade de não ter acordado cedo. Vontade de não ter acordado com o lençol tão arrumado, e a cama tão fria. Vontade de não viver num mundo onde o capitão é o primeiro a abandonar o navio. 
Eu sou sempre a última a abandonar o barco, sou sempre eu remando uma canoa já furada e cheia de água. Uma canoa de tábuas podres e pregos enferrujados. O barco que sou eu e o mundo. Eu e você. Eu e aquele outro. O barco sem âncora, sem bússola, sem tripulação, sem ao menos um papagaio. O barco com nome de puta sofredora. E no meu barco também não tem bote salva-vidas, nem colete salva-vidas, nem mesmo uma bóinha de braço da Pequena Sereia pra salvar a sua vida ou a minha.
Eu sou sempre o capitão que afunda junto com a embarcação, que se agarra na última tábua e faz daquilo seu transatlântico. E ao chegar na praia, com a cara do Tom Hanks em Náufrago e o rímel borrado, não tem nem um gostosão ali parado só esperando para me ressuscitar de mim. Ou alguém para me ressuscitar de mim. Ou um gostosão ali parado. Ou qualquer coisa.



2 comentários:

  1. gostei de ler isso...muito bom. meus lençóis tbém estão arrumados...rs.
    bjo

    ResponderExcluir
  2. Oi tudo bom? Então, é a minha primeira visita aqui no seu e poxa, estou adorando! Estou seguindo e voltarei mais vezes!

    Também tenho um blog, passa por lá? Te deixo o link dele:
    http://25conto.blogspot.com/

    Abraços!

    ResponderExcluir