sábado, 24 de dezembro de 2011

Devolvam minha infelicidade, por favor.

Tô de saco cheio de não sentir demais, essa coisa de ser equilibrada é muita chata. Estou o tempo todo em paz, minha cabeça muito bem organizada, minha alma um saco brilhante de serenidade. Mas que puta tédio.
Nos meus piores dias eu rezava a Deus, à Virgem Maria, a todos os santos que eu conseguia lembrar o nome, a tantos outros que eu mesma inventava. Rezava e rezava e pedia para não sentir nada, pedia para ser tão normal quanto qualquer outra pessoa e conseguir me livrar de todos os meus sentimentos com simples frases do tipo "sofrer é opcional". Perguntava porque raios Deus não me fez uma dessas pessoas o-importante-é-ser-feliz.
Eu me sentia exausta. Cansada para caralho. Passava dias deitada na cama, chorando saudade, sofrendo todas as dores do mundo e tentando sair do poço de mim que eu caí, passava horas tentando entender por que eu estava tão sozinha e por que minha vida era essa sucessão de pessoas indo embora. Fazia mil planos para tentar sair daonde eu estava. Eu quis ser qualquer mendigo mas não ser eu. Eu sentia demais e isso me deixava cansada demais. Fisicamente cansada. Fisicamente secando.  Fisicamente atrofiando.
Até que veio o Lexapro e a Dra. Ângela. Ajuda do céu. O Lexapro desligou todas as minhas emoções e me colocou no controle do meu próprio corpo, o Lexapro me deixou pensar. E no começo eu adorei. Adorei sentir absolutamente nada. Adorei não me sentir miserável. Adorei. De vez em quando uma tristezinha ainda tenta emergir e só o que eu faço é olhar para o outro lado e pensar naquele blush lindo na revista da Avon e tcharam: estou mais uma vez no controle.
Mas não quero mais estar no controle. Passo dias como um fantasma, sem sentir felicidade e sem sentir tristeza, sem sentir aquele arrepiozinho de coisa boa. Sem sentir tesão pela vida. Só tem a saudade, a saudade, a saudade, a saudade. E nem a saudade me faz sentir demais. A saudade só me faz respirar fundo e continuar. 
Me expliquem vocês como é que se faz para viver em paz sem morrer de tédio.                                 

Um comentário:

  1. nossa eu tenho tanto medo de sentir isso de novo, tédio é algo como falta de energia, e mesmo sem luz aqui em casa o Gui faz tudo ficar aceso. é bem diferente do que sentir vontade de morrer apenas por não conseguir agradar a musa de minha canção. agarre-se ao dia de hoje, presenteie sua familia, escreva algo pensando neles e leia antes da ceia. sei lá, axo que tudo pode começar com um sorriso de natal.

    ps: quero o tel da dr Angela :)

    ResponderExcluir