sábado, 31 de dezembro de 2011

Chuva na praia

Essa coisa de ano novo deixa o coração de todo mundo cheio de coisa boa, estufado de esperança de que ano que vem será muito melhor, de que nós seremos muito melhores.
Eu tô o dia todo numa nostalgia danada, lembrando da noite que eu cheguei no bar e descobri que o amor da minha vida estava com outra pessoa. Como eu quis morrer aquele dia, como eu quis chorar até desidratar, e tudo o que eu consegui fazer foi ficar bem demais e arrumar outro amor para minha vida. Bem nessa época minha melhor amiga estava solteira e foi tipo a melhor fase da minha vidinha. Eu lembro do peão que eu beijei só porque assisti Araguaia naquele dia mais cedo e eu lembro de ter passado por cima de um ou outro coração. Por alguns meses muito bem vividos, eu tive a idade que eu tenho. Eu acho que às vezes é muito bom a gente ser só a gente e não ter preocupação nenhuma a não ser o rolê do sábado à noite. Eu estava muito bem e me achando invencível. E eu era mesmo. Até que.
Todo mundo tem sua própria kryptonita. Sua capsulinha de destruição. Minha fraqueza sempre foi o amor, sempre foi sentir aquele pulinho no coração e o corpo mole de paixão. Minha fraqueza é gostar tanto de outra pessoa que eu não quero mais ser minha, eu quero ser nossa. E eu quis tanto que você me quisesse.
Eu namorei. Namorei depois de anos e muitos traumas passados. Namorei porque eu tinha certeza que seríamos nós contra o mundo até o fim. Nota mental para 2012: parar de romantizar que nem uma boboca.
A gente saía todos os fins de semana e tentávamos formar casaizinhos entre nossos amigos. A gente assistia filme atrás de filme e dormia na sua cama. Eu estava tão apaixonada quanto alguém podia estar e só por isso acho que o ano valeu a pena. Claro que dói para cacete ver que o "eu vou tá aqui para te ajudar sempre" só é válido até a gente precisar. Claro que dói ser rejeitada. Claro que dói jogar Tarot e rezar para Deus trazer a pessoa de volta quando a pessoa não quer voltar. Mas acho que dói mais não amar.
Acho também que quem quer cresce. Eu quero sempre crescer. Bom mesmo é sentir o coração em frangalhos e ainda estar feliz e com toda certeza de mim mesma. Bom mesmo é olhar para os meus dias tempestativos e saber que as coisas bobas que me foderam não existem mais. Bom mesmo é sentir uma puta vontade de passar a tesoura no cabelo e não fazer nada até a vontade passar. Quero mais desses dias que a tristeza me encontra. Quero mesmo! São os dias que eu mais fico contente comigo - contente por dar um tapa na cara dessa maldita e mandá-la embora em 5 minutos.  É gostoso gostar de mim.
Eu espero de verdade que 2012 seja mais vodka nos zóio, mais carona no drive thru, mais sábado à noite vendo bunda na TV. Quero mais dia das garotas, mais tequila roubada, mais dentadura de vampiro. Quero mais corpo todo ardendo, tempestade dentro do carro. Eu quero mais momentos cheios de tudo isso. E quero o mesmo para vocês. Sejam felizes, meninos. Dinheiro a gente dá um jeito, saúde a gente tem enquanto dá, mas para estar feliz é preciso muita força de vontade. Parece clichê para caralho - e clichês são as maiores verdades do mundo - mas só é bom de verdade aquilo que a gente coloca o coração.
Bom, mas isso são só besteiras escritas no celular num dia de chuva na praia. Um monte de baboseiras que eu preferia estar torrando no sol.

Nenhum comentário:

Postar um comentário